SAÚDE BEM ESTAR

Viva mais! Viva Melhor!

Saude A-Z

Como distinguir enxaqueca de dores de cabeça casuais

Estresse cotidiano causados por várias atividades e acúmulo de funções podem gerar dores de cabeça, no entanto é necessário atenção quando essas dores são contínuas e não passam com um simples analgésico.

Nesse caso você provavelmente sofre de enxaqueca. Dores latejantes, sensibilidade à luz, vômitos e dormência nas mãos são sintomas de enxaqueca.

Geralmente as dores casuais ou tensionais não ocorrem com frequência e os sintomas são passageiros e de fácil controle com analgésicos ou até mesmo com um simples repouso.

Cerca de 90% das dores de cabeça se encaixam nessa categoria.

No caso da enxaqueca, os sintomas podem persistir por várias horas e até mesmo dias.

Podendo variar de pessoa pra pessoa em intensidade e duração.

Como distinguir enxaqueca de dores de cabeça

Sintomas das dores de cabeça

Dores de cabeça tensionais possuem sintomas distintos não tão graves, mas igualmente incômodos.

Dores nos lados da cabeça, pressão na cabeça, tensão no pescoço, ombros rígidos.

Nas enxaquecas, as dores são latejantes, o paciente tem sensibilidade à luz, som, cheiros diversos.

Ocorre perda temporária de visão, visão turva, pontos brilhantes ou escuros diante dos olhos.

Quanto mais agitação, pior a dor, atividades físicas aumentam a sensação de mal estar.

Preocupações e exaustão são fatores que fazem os músculos tensionarem, gerando assim a maioria das dores de cabeça tensionais.

No caso da enxaqueca estudos afirmam que seja de natureza genética, porém não sabem determinar a causa exata.

Entretanto fatores externos também são propícios à enxaqueca.

Tais como, luzes, barulho excessivo, além de fatores hormonais.

Dicas de tratamento

É importante a avaliação médica em qualquer um desses casos, porém, algumas mudanças de hábitos podem ser benéficas.

Evite alimentos com alto teor de sal, cafeína, bebidas alcoólicas, ambientes muito iluminados e com muito barulho.

Se possível faça técnicas de relaxamento, além de tratamentos alternativos como acupuntura e hidroginástica.

Dependendo da avaliação médica pode ser necessário o uso de antidepressivos.

Em outros casos, analgésicos podem ser úteis,como ibuprofeno, dipirona, naproxeno.

Mas tendo sempre a cautela de procurar um profissional para uma avaliação segura.

Compartilhe!

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *